[Resenha] Medo Clássico – Edgar Allan Poe – Darkside Books

Medo Clássico

A partir de hoje você poderá não apenas LER a minha resenha, mas também escutá-la! O Blog Eu Leio Livros agora faz parte da Plataforma VOOOZER e clicando no Player abaixo você poderá ouvir a minha resenha! Vá em frente e divirta-se!

 

Volume 01 e em breve teremos o Volume 02. O livro vem mega recheados de extras, incluindo o texto original em inglês do conto O Corvo e duas traduções do mesmo: Uma de Machado de Assis e uma de Fernando Pessôa. Aqui eu farei a resenha dos três primeiros contos do livro, o bloco chamado: Espectro da morte.

Caso você se interesse em comprar esse livro, faça-o usando meu código da Amazon com isso contribua com esse Blog. Só clicar nesse link: http://amzn.to/2n0lBsh

Os contos são os seguintes:

  • O Poço e o Pêndulo
  • A Queda da Casa de Usher
  • O Baile da Morte Vermelha (O meu preferido)

t7uqio6

Então vamos a resenha:

O Poço e o Pêndulo:

Em o poço e o pêndulo conhecemos a história de um homem preso durante a inquisição. Ele é condenado a morte e, não suportando seu fim tem ataques e crises convulsivas. Escuta vozes, escuta berros, é arrastado, mas tudo isso em flashes. Quando finalmente acorda, está em um local absolutamente escuro. Tão escuro que ele não consegue distinguir se está morto ou vivo. E se pergunta, caso esteja vivo, se não fora enterrado. Mas logo ele percebe que não, há espaço o suficiente no local onde ele se encontra. Um local que reserva perigos ainda desconhecdos por ele. Esse conto é totalmente psicológico e Edgar Allan Poe brinca com muitas de nossas fobias como claustrofobia, acrofobia,  musofobia ( que é o medo de ratos) e morte iminente. O desenrolar é demais e é o conto que abre o livro.

A Queda de Usher:

Em A queda de Usher começamos a lidar com o sobrenatural.  Um homem é chamado para ficar uns tempos na casa de seu amigo de infância, pois o mesmo não se encontra muito bem. Ele então decide ir ajudá-lo em nome da amizade e logo começa a ter os tais second thoughts. A casa em si atrai angústia e medo e tudo em sua volta faz o mesmo. Então sabemos que tanto o dono da casa quanto sua irmã estão doentes e os sintomas são, de certa forma, estranhos. Só podia usar roupas de um certo tecido, alguns odores lhe faziam mal e música alguma poderia ser tocada, só se fosse de algum instrumento de corda.

Óbvio que as coisas começam a fica cada vez mais sinistras e o final desse conto é muito legal.

O Baile da Morte Vermelha:

A morte rubra é uma praga que se alastrou rapidamente. Entre os sintomas estavam tonturas, dores agudas e uma hemorragia que não estancava. A pessoa morreria em menos de 30 minutos.

Então, o Príncipe Próspero convocou vários amigos e se trancaram no castelo com comida o suficiente para que pudessem viver de forma segura no Palácio até que a situação se resolvesse.

Então, após uns seis meses vivendo em total segurança, ele resolve dar uma bela festa e o mesmo era conhecido por essas festas. A descrição dos aposentos, cada um de uma cor e também do relógio de som estranho que, de hora em hora paralisa a todos na festa pelo seu toque sombrio faz parte dos pontos altos do conto. Esse conto é pequeno, porém PERFEITO!

Nota 10!

aj240xe

Sobre o Autor: Poeta e contista estadunidense nascido em Boston, Massachusetts, conhecido sobretudo por suas histórias de mistério e horror. Filho de um casal de atores, ficou órfão aos dois anos e foi adotado por John Allan, rico comerciante de Richmond, Virgínia. Enviado à Europa, recebeu esmerada educação clássica (1815-1820) na Escócia e Inglaterra. Em seguida freqüentou a Universidade da Virgínia, porém envolveu-se com jogo e álcool, até que rompeu relações com seu tutor (1827). No mesmo ano publicou, em Boston, seu primeiro livro de poesia, Tamerlane, and Other Poems (1827). Tentou a carreira militar mas foi expulso da Academia Militar de West Point e, então, decidiu dedicar-se por completo à literatura e começou a publicar contos em revistas (1830) e foi morar em Baltimore com uma tia. Recebeu um prêmio em dinheiro por seu Manuscript Found in a Bottle (1833).

Tornou-se editor literário do Southern Literary Messenger, de Richmond (1835), e no mesmo ano casou-se com a prima Virginia Clemm, de apenas 13 anos de idade. Seus problemas alcoólicos o levaram a demissão e mudou-se para Nova York, onde passou a escrever freneticamente livros e contos para revistas, especialmente com temas que abordavam a morte, o horror sobrenatural e os desvarios da mente humana, possivelmente inspirados nos próprios tormentos do autor. Por outro lado, possuía grande capacidade analítica, e escreveu contos que assentaram as bases do gênero policial e de mistério que se difundiu no século XX. Também deixou textos nos campos da estética, da crítica e teoria literária. Apesar da popularidade, seus vícios e escândalos o tornaram incompreendido por seus compatriotas.

Título: Medo Clássico

Autor: Edgar Allan Poe

Páginas: 384 Páginas

Editora: Darkside Books