[Resenha] Hellraiser – Clive Barker

Hellraiser, obra de Clive Barker, de 1986.

 

Poesia em forma de Sangue

SINOPSE: Clive Barker e DarkSide. Renascidos um para o outro. Um livro tão assustador que nenhuma editora nacional teve a coragem de lançar. Mas não pense que você está a salvo. A DarkSide Books traz para o Brasil o tão aguardado Hellraiser – Renascido do Inferno, o romance que fez de Clive Barker uma lenda viva do terror. O livro chega às livrarias em setembro de 2015, às vésperas do aniversário de 30 anos de seu lançamento internacional. Escrito em 1986, Hellraiser – Renascido do Inferno apresentou ao público os demoníacos Cenobitas, personagens criados por Clive Barker que hoje figuram no seleto grupo de vilões ícones da cultura pop como Jason, Leatherface ou Darth Vader. Toda a perversidade desses torturadores eternos está presente em detalhes que estimulam a imaginação dos leitores e superam, de longe, o horror do cinema. Clive Barker escreveu o romance Hellraiser – Renascido do Inferno (The Hellbound Heart, no original) já com a intenção de adaptá-lo ao cinema. O cultuado filme de 1987 seria sua estreia na direção, e ele usou o livro para mostrar todo seu talento como contador de histórias a possíveis financiadores. Nas palavras do próprio Barker: “A única maneira foi escrever o romance com a intenção específica de filmá-lo. Foi a primeira e única vez que fiz assim, e deu resultado”. De leitura rápida e devastadora, Hellraiser – Renascido do Inferno conta a história de um homem obcecado por prazeres pouco convencionais que é tragado para o inferno. Inspirado nas afinidades peculiares do autor, o sadomasoquismo é um tema constante em sua arte. Se você é fã de Clive Barker, precisa ler sua primeira obra-prima. O mestre sombrio finalmente chegou à DarkSide. Para matar os desejos de todos os fãs, e prontos para comemorar os 30 anos de seu lançamento, Hellraiser – Renascido do Inferno chega às livrarias em uma edição caprichada como só a DarkSide Books, Limited Edition, em capa dura.

RESENHA: Hellraiser vem com um aviso: Não é um livro para corações fracos. Mas não por causa da violência descrita por Clive Barker, mas porque sua poesia é tão pungente  quanto um golpe mortal.

Hellraiser, original The Hellbound Heart, conta a estória de Frank, um homem que anseia por prazeres extremos. Aliás, o livro gira em torno disso, do quanto procuramos incansavelmente por sentir prazer, sem se importar de como o conseguir.

Frank busca durante muito tempo alguma forma de se sentir completo, já que há tempos tudo o que ele sente é agonia e solidão. Várias experiências frustradas de conseguir o ápice do prazer. Até que na Alemanhã , conhece um homem que lhe vende um objeto cujo qual, dizem, é capaz de lançar os prazeres mais devassos já conhecidos pelo homem. Frank não hesita e compra  tal objeto. Trata-se da Caixa de Lemarchand, uma espécie de portal para o mundo devasso e carnal que Frank tanto deseja.

Mas não é bem isso o que ele encontra. Pelo contrário. Ele abre um portal que o leva direto aos Cenobitas. Uma espécie de guardiões do Inferno que capturam sua alma e despedaçam seu corpo. Aliás, a forma como Cliver Barker descreve os Cenobitas é um espetáculo a parte.  Então começa a estória, quando seu irmão decide ir morar com sua recém esposa na casa onde ele, Frank, praticara o ritual que abriu a caixa de Lemarchand.

Então, conhecemos os outros personagens: o irmão de Frank, Rory e sua esposa, Julia. Também conhecemos uma amiga de Rory, Kirsty, apaixonada por ele.Descobrimos segredos, vícios, desespero e frustrações na vida desses personagens que parecem sofrer em vida o que a alma de Frank sofre no Inferno.

As súplicas se tornaram um só som, palavras e sentidos eclipsados pelo pânico. Parecia não haver fim para aquilo, senão a loucura. Nenhuma esperança, senão perder a esperança

Um livro de leitura muito rápida porém muito rica, cheia de camadas, odores, sabores e sensações ímpares. Impossível não se impressionar com a força da escrita de Clive Barker, que aliás, escreveu já sabendo que iria transforma seu livro em roteiro para o cinema (também dirigido por ele).

Hellraiser termina da forma como começou: sem muita balela, sem enrolações, sem artifícíos para tentar prender o leitor. Ele simplesmente começa a contar a estória e a termina sem furos ou chance de você desgrudar do livro;



SOBRE CLIVE BARKER:

Entrou na Universidade de Liverpool para estudar literatura inglesa e filosofia. Suas qualidades imaginativas eram uma parte fundamental do trabalho teatral dele. Porém, seu trabalho autoral foi considerado posteriormente como um gênio do terror moderno.
Na década de 80  se tornou o nome mais proeminente da literatura de terror contemporânea. Quando lançou no início da sua carreira, os primeiros 3 volumes da sua bem-sucedida coletânea de contos chamados Livros de Sangue . O verdadeiro estouro mundial da obra foi quando ela foi lançada nos Estados Unidos, quando ele recebeu um baita elogio do incrível Stephen King, que disse o seguinte: “Eu vi o futuro do Horror… E seu nome é Clive Barker”.  Catapultado à fama, seus Livros de Sangue venderam como água e ele se tornou a celebridade que hoje influencia cineastas, autores e artistas plásticos.
Leia Hellraiser e abra a sua caixa de Lemarchand.
Autor: Clive Barker
Editora: DarkSide Books
Ano: 1986